Se a preocupação maior é quanto ao custo de criação de protótipos ou o tempo que irá se despender para a realização de testes de usabilidade, há vários métodos distintos de prototipação que não exigem muito tecnologia e investimento. Em contrapartida, caso o objetivo é proporcionar maior realismo durante a validação do produto e seu design perante aos usuários, é também possível criar protótipos que se assemelham bastante ao produto final a ser desenvolvido.

Apesar de existir toda uma tecnologia moderna, há momentos em que pode ser interessante utilizar métodos e técnicas arcaicas à primeira vista. Papel, tesoura, cola, utensílios para colorir são ferramentas que podem ser utilizadas para a criação de protótipos úteis e rápidos durante o desenvolvimento de produtos digitais.

 

Vantagens dos protótipos de papel

Os benefícios da prototipagem de papel são bastante claros: são de baixíssimo custo, fáceis de criar e fáceis de colaborar. Em várias projetos, começar no papel pode ser uma tática surpreendentemente útil à medida que as interfaces se tornam mais complexas e os cronogramas de desenvolvimento se tornam mais curtos. Alguns desses benefícios são apresentados a seguir.

  • Interação rápida – O protótipo de papel pode ser rapidamente criado e também rapidamente descartado sem altos custos. Devido à natureza altamente dinâmica da fase de prototipagem, a equipe de design possivelmente criará algum desperdício. Por isso, às vezes, não faz sentido investir muito tempo em todas as ideias e soluções de design criadas durante o projeto;
  • Baixo orçamento – Protótipos de papel podem ser construídos rapidamente com pouco material. Tudo o que precisa é de papel, lápis ou caneta, tesoura e criatividade;
  • Colaboração divertida – É difícil não se relacionar quando um grupo de pessoas recebe materiais de arte e começa o trabalho de criação. A natureza casual do papel convida mais participação e feedback, o que se deve encorajar o máximo possível durante os estágios iniciais da criação do produto;
  • Documentação fácil – As versões anteriores do protótipo estão bem à sua frente, permitindo que parte do design seja a documentação. Ainda, notas técnicas podem ser anexadas aos próprios protótipos.

Além disso, uma rápida sessão de prototipagem em papel pode ajudar as soluções de brainstorming se a equipe atualmente estiver com dificuldades ou presa ao protótipo digital. A prototipagem com papel não precisa ser exclusiva – eles podem se complementar bem se você jogar com os pontos fortes de cada um.

 

Desvantagens dos protótipos de papel

No entanto, a prototipagem de papel possui inúmeras desvantagens que precisam ser consideradas. Algumas das desvantagens são apresentadas a seguir.

  • Eles podem gerar falsos positivos – Embora a prototipagem de papel possa ser útil para processos individuais, você precisa explicar o contexto. Caso contrário, você pode obter feedback com base em seus esforços (“Quão criativo!”), E não no seu produto real (“A navegação é confusa”);
  • Nenhuma reação instintiva – A pesquisa deve ser baseada nas reações de seus usuários, pois elas ocorrem naturalmente sem pensar. Como os protótipos de papel exigem que o usuário imagine como será o produto final, você está recebendo feedback sobre uma entrega, em vez de reações a algo que se assemelha ao produto;
  • Pode ser mais lento do que ferramentas de prototipagem – Dada a ampla seleção de ferramentas, pode-se obter protótipos rapidamente (e menos confusos) com o benefício adicional de recursos colaborativos. Tudo depende das suas preferências.

 

Por fim, prototipagem de papel pode ser uma excelente maneira de explorar ideias. Desde que saiba os limites dos protótipos feitos de papel, você pode conseguir tirar o máximo proveito deles quando os tratar mais como um exercício informal de conceituação – Desenhe esboços para explorar suas próprias ideias e, em seguida, execute um teste de usabilidade de corredor rápido com 3 a 5 pessoas. Posteriormente, você pode mudar para uma plataforma digital para criação de wireframes e prototipagem de alta fidelidade.

 

Processo da prototipagem de papel

A prototipagem de papel não é apenas diversão e jogos. Independentemente de você estar criando um para sua equipe, para testes de usabilidade ou para uma apresentação das partes interessadas, seus objetos de papel devem ser profissionais e funcionais.

A primeira coisa a saber sobre prototipagem de papel é que alguém tem que desempenhar o “papel do computador humano” – É preciso deslizar pelas telas corretas na hora certa. Isso não é fácil, mas é preciso melhor manter a ilusão.

Embora a técnica tenha existido desde os anos 80 e tenha tido variações diferentes, existem algumas práticas padrão a seguir. As etapas para a prototipagem de papel são apresentadas a seguir.

  • Esboce cada tela – Cada esboço da tela deve ser criativo. Por exemplo, um menu suspenso pode ser dobrado embaixo do papel no início. mas também individual e separado do restante;
  • Criar cenários de usuário ­– Crie um cenário realista para ser executado, seja para demonstração de uma apresentação ou para que os participantes do teste tentem descobrir;
  • Ensaio – Percorra os diferentes cenários até que o “computador humano” funcione como uma máquina real;
  • Apresentação e teste – É o momento em que já está pronto para a apresentação ou teste de usabilidade. Para apresentações, basta percorrer o cenário como ensaiado. Para testes de usabilidade, ajuste as telas de acordo com o que deve ser testado.

 

Como foi visto, a prototipagem de papel pode ser bastante prática e útil, porém, desde que o designer tenha total ciência de suas desvantagens.


Precisa de um site, aplicativo ou quer melhorar seu design?
Você pode contratar a agência Rian Design

Para palestras, workshops e cursos, fale diretamente com o Rian