Nos últimos anos, o Design Thinking surgiu como uma palavra de ordem que promete inovação e qualidade. E nunca se falou tanto em Design Thinking e inovação do que nos últimos anos.

Ao mesmo tempo, o UX Design (Design de Experiência do Usuário) se tornou quase que uma obrigação das empresas de todos os setores e de todas as formas e tamanhos. A experiência do usuário é algo extremamente importante e muitas empresas estão correndo atrás disso.

Enquanto muitos dos líderes em Design Thinking e UX se sobrepõem entre as duas comunidades, o impacto do Design Thinking costuma estar em um nível mais estratégico e global, no que diz respeito à inovação de serviços e produtos. Enquanto isso, a UX tem lutado para obter um nível de influência e respeito por parte das organizações de produto e desenvolvimento com as quais trabalha.

Não apenas o DT e a UX funcionam e são pensados de forma distinta, mas também têm pouca influência um sobre o outro.

A questão é: dada a necessidade desesperada do impacto do DT e melhor UX, como isso é possível? E o que pode ser feito para criar uma sinergia entre eles?

Embora tanto o Design Thinking quanto o UX Design, como pensamos hoje, tenham começado no mundo acadêmico, surgiram como preocupações de negócios. UX veio em primeiro lugar, batendo de forma duradoura com o uso do termo de Donald Norman como parte de seu título, Arquiteto de Experiência do Usuário, na Apple Computer em 1993. De lá, ele se consolidou no Vale do Silício e levou a uma revolução de design e UX durante os anos 90.

Embora tenha demorado mais tempo para o termo (UX) se espalhar pelos Estados Unidos e permear as empresas, no início dos anos 2000 a disciplina estava firmemente estabelecida nas melhores empresas de software do Vale do Silício.

O impacto do Design Thinking surgiu cerca de uma década depois, no início dos anos 2000. Embrulhado em conjunto com uma mensagem mais ampla de “inovação”, o Design Thinking bombou (como diriam os cariocas)!

Enquanto o UX se desenvolveu sistematicamente na bolha do Vale do Silício, o Design Thinking seguiu a tendência da inovação e a Web 2.0 entrou rapidamente nas reuniões das empresas.

O que há em comum entre Design Thinking e UX Design

Superficialmente, o Design Thinking e o UX têm pouca coisa em comum.

O DT tem mais a ver com a criação de soluções inovadoras, enquanto o UX se concentra em melhores produtos e serviços.

Embora o Design Thinking seja popularmente reconhecido como a combinação de observação do usuário, análise e pensamento de síntese, na realidade, o que define é o processo:

  • Definição
  • Pesquisa
  • Ideação
  • Protótipo
  • Escolha
  • Implemento
  • Aprendizagem

A similaridade no processo revela suas raízes compartilhadas. As coisas que o DT faz geralmente estão nos mesmos espaços problemáticos que são tratados pelo UX.

Na verdade, a comunidade de Design Thinking moderno tem raízes profundas na comunidade UX que a precedeu. Por exemplo, a Overlap Conference, uma importante conferência de Design Thinking, foi conceituada e organizada por líderes de pensamento da UX.

Design Thinking na sala de reuniões

Talvez o maior sucesso alcançado pelo Design Thinking até o momento não seja seu impacto na aplicação real, mas a facilidade com que foi aceito na sala de reuniões.

O DT se tornou a forma abreviada de explicar a capacidade da Apple de inovar massivamente, criar novas categorias de produtos e, o mais importante de tudo, criar grande valor para os acionistas durante um aumento de estoque meteórico em meados dos anos 2000.

O DT já também teve muitos sucessos, como na GE e na P&G na última década, desde planos de implementação completos que criaram inovações importantes para ensinar novas habilidades criativas e formas de pensar para equipes executivas, tornando-as individual e coletivamente mais eficaz.

A questão aqui é que o Design Thinking rapidamente ganhou e depois manteve a aceitação das empresas, mesmo quando os impactos de sua implantação se mostraram equilibrados para não serem mais eficazes do que outros investimentos comparáveis, como a consultoria de gestão mais tradicional.

O árduo caminho do UX Design

Enquanto o DT chegava diretamente à diretoria executiva, muitas vezes o UX Design entrava nas empresas escondidinho, arranhando aqui, arranhando ali, até penetrar por toda a empresa, com bastante dificuldade (não leve pelo mal caminho).

Inicialmente começando por produtos como software e hardware, onde engenheiros e outros membros da equipe haviam feito o trabalho por meio da intuição, a UX teve que lutar por espaço, respeito e orçamento. E até hoje é assim.

As empresas que não são de tecnologia costumavam ser apresentadas ao UX por meio do departamento de Marketing ou de TI, como uma forma nova e progressiva de criar sites melhores – com melhor usabilidade. Aliás, até hoje a UX é confundida como usabilidade. E UX é muito mais que uma boa usabilidade.

Independentemente da história de origem, hoje a UX é reconhecida e aceita dentro de empresas de todos os tamanhos, causando impacto nas organizações de produtos, serviços e marketing em diferentes graus.

Mas, não ache que UX é super valorizado e que todas as empresas do mundo almejam em seus produtos e serviços. Não. Longe disso. O UX Design continua sendo evitado. Apesar de estar presente em várias empresas, ainda é muito mais difícil garantir orçamento para UX em comparação com engenharia, marketing, desenvolvimento e outros departamentos mais tradicionais e estabelecidos.

Conclusão

De forma resumida, o Design Thinking é uma ferramenta para resolução criativa de problemas, que tem como ponto de partida o entendimento das necessidades das pessoas, ou seja: o foco primordial para a resolução de problemas é o ser humano.

Já o UX Design aborda todas as iterações entre os usuários, produtos e serviços e as suas motivações, ansiedades e padrões de comportamento. O objetivo é a construção de produtos que sejam não apenas úteis, mas profundamente desejados pelos clientes.

Concluindo, podemos dizer, em poucas palavras, que o Design Thinking está mais preocupado com a criação de novos produtos de forma inteligente, pensando em inovação, enquanto o UX Design tem como objetivo principal desenvolver produtos realmente excelentes, com foco no usuário.

Texto adaptado de ACM Interactions.


Precisa de um site, aplicativo ou quer melhorar seu design?
Você pode contratar a agência Rian Design

Para palestras, workshops e cursos, fale diretamente com o Rian